logotipo titulo pt

VISITE-NOS

CONTACTE-NOS

Rua marquês de Pombal
     nº 285
 +258 (21) 325 087
 +258 (21) 357 100
 +258 (82) 307 4150

Cooperação Marinha e Pescas junta Moçambique e Indonésia

Indonesia marinha

UM Memorando de Entendimento nas áreas da Marinha e das Pescas vai fortalecer, ainda mais, a cooperação e a amizade entre Moçambique e Indonésia, permitindo o estabelecimento das linhas de colaboração e utilização de tecnologias simples e adaptáveis às necessidades e contextos nacionais de ambos os países.

O documento, rubricado segunda-feira, em Bali, na Indonésia, à margem da 5ª Conferência Internacional denominada “Nosso Oceano, Nosso Legado”, foi assinado pelo Ministro moçambicano do Mar, Águas Interiores e Pescas, Agostinho Mondlane, e pela Ministra dos Assuntos Marinhos e Pescas daquele país asiático, Susi Pudjiastuti.

Indonesia marinha1Indonesia marinha2

Saiba mais....

 

Comercialização de Pescado gera riqueza em Quichanga

 muzir1

Fátima Atija é um raro caso de sucesso, obtido através dos rendimentos na comercialização de produtos da pesca. Muzur, nome usado por pessoas próximas, tem 48 anos de idade e é mãe de três filhos e emprega igual número de trabalhadores que lhe auxiliam na sua actividade empresarial, comercializa pescado desde o ano 2014, altura em que ganhou confiança ao nível do povoado de Quichanga e do governo local, pela sua seriedade no trabalho e comprometimento com os seus clientes.

Recebeu apoio do Governo, facto que aumentou a sua produção e produtividade. Com os proveitos da venda de pescado, ela está a erguer uma residencial que serve para hospedagem dos visitantes de Pebane, constituído por nove quartos apetrechados e que fornece serviços de alojamento e refeições aos estudantes do curso de Saúde na área de Agentes Polivantes, promovido pelos Serviços Distritais de Saúde de Pebane.
Também conseguiu comprar, congeladores para conservação de pescado, motas para serviços de táxi, mobiliário para a sua casa e residencial de hospedagem e conta actualmente com dezoito clientes fixos, para além dos que eventualmente aparecem para solicitar os seus serviços, tanto de hospedagem, assim como de refeições e aquisição de pescado.

muzir1nmuzir1n12muzir12

 

 

 

 

Pesca impulsiona vidas em Pebane.

pescadornv

Alberto Namaja, é um dos inúmeros pescadores de Pebane que pratica a pesca desde a sua infância, facto que levou o Governo a considera-lo como potencial operador para receber apoio no sentido de melhorar a sua produção e produtividade.
Nesse âmbito, recebeu apoio do governo para aquisição de uma embarcação e redes de pesca. Namaja, disse que com este apoio, viu a sua produção melhorada e conseguiu através dos rendimentos da actividade da pesca, construir a sua própria casa e emprega três trabalhadores além de ter sustento para a sua própria família.
As cheias do ano 2000, não saem da memória de Alberto Namaja, que viu a sua embarcação devastada e perdida, porém, beneficiou novamente de apoio do Governo e está satisfeito com o decorrer das actividades e o rendimento obtido também serve para garantir o pagamento das prestações do valor de reembolso do financiamento recebido, de forma a beneficiar outros pescadores.

pescador1pescador11

Pebane conta com mercado de 1ª venda ampliado

mercado1nv

O distrito de Pebane, vai contar com um mercado de 1ª venda melhorado e ampliado, o facto deve-se ao significante volume de pescado transaccionado naquele distrito costeiro da província de Zambézia.

Segundo, Salimo Abdala, presidente do mercado, a orientação de reabilitação, ampliação e apetrechamento do mercado, foi deixada pelo Ministro do Mar, Águas Interiores e Pesca, Salvador Mondlane, aquando da sua visita aquele distrito costeiro. Na parte da conservação, o mercado reabilitado vai contar com oito congeladores, contentor frigorífico e uma fabriqueta de Gelo.
Pebane, tem uma área de 10.182 km2 e uma população estimada em 229 mil habitantes onde maior parte dela desenvolve a pesca, como actividade principal, este distrito, contribui com cerca de 25% na produção pesqueira global da província, estimada em cerca de 15 mil toneladas anuais.

mercado14IMG 0352

Estados membros da Comissão Sudoeste do Oceano Índico discutem a Gestão da Pescaria de Atum na Região.

tuna

Os Estados membros da Comissão Sudoeste do Oceano Índico, estiveram reunidos durante três dias para actualizar e harmonizar a estratégia para a gestão sustentável da pesca do atum e de outras espécies migratórias. A reunião que teve lugar na Cidade de Maputo, entre os dias 19 a 21 de Setembro do ano em curso, constitui a oitava sessão do grupo de trabalho de colaboração e coordenação da pescaria do atum.

Há mais de uma década, que o grupo de trabalho de colaboração e cooperação da pescaria do atum foi estabelecido pelos membros da Comissão das Pescarias do Sudoeste do Oceano Índico (SWIOFC) para lidar especificamente com assuntos relacionados com a pescaria do atum e de outros recursos altamente migratórios, e este grupo de trabalho levou à harmonização de uma visão comum sobre a gestão sustentável desses recursos, permitindo deste modo aos membros preparar, organizar e informar as sua recomendações e decisões ao nível das reuniões da Comissão do Atum do Oceano Índico (IOTC) ", disse o presidente do grupo de trabalho, Hosea Gonza Mbilinyi Mbilinyi, durante a abertura do evento.

Saiba mais.....

O estado global da produção de algas, comércio e utilização.

Algasnovasnv1

Este relatório é uma actualização do estágio do mercado global de algas marinhas: números de produção da cultura e captura, o tamanho do mercado internacional de algas marinhas e seus extractos comercialmente importantes, as principais nações por região, desenvolvimentos em tecnologia de processamento e utilização e inovações na indústria, assim como os desafios e perspectivas para a indústria.
Como não é possível apresentar todos os países de importância no sector de algas marinhas, vários foram seleccionados como sendo representativos das diferentes regiões do mundo: Ásia [China, Indonésia, República da Coréia, Malásia, Filipinas, Singapura e Tailândia); América do Sul (Chile); Europa (Dinamarca, União Européia); e África (Marrocos, África do Sul e Zanzibar (Tanzânia)]. As seções sobre o Chile, a China, a Dinamarca e a África do Sul baseiam-se amplamente em estudos anteriores encomendados pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO).

Saiba mais.......